Os consumidores brasileiros associam a rolha de cortiça à qualidade do vinho, vendo nos vedantes alternativos, como as rolhas de plástico ou screw caps, um fator de desvalorização. A conclusão resulta de um estudo realizado recentemente pela Conecta, em conjunto com o Ibope, que sondou os hábitos de consumidores de vinho em São Paulo, inquirindo 407 pessoas das classes A, B e C da cidade.

Do total de entrevistados, 80% acredita que as garrafas com rolha de cortiça natural correspondem a vinhos mais nobres, tanto que o consumidor está disposto a pagar entre 13R$ (4€) e 15R$ (5€) mais por este tipo de garrafas. O consumidor acredita, inclusive, que a rolha de cortiça ajuda a preservar melhor o sabor da bebida. Esta crença é ainda mais forte na classe social A: quem bebe vinhos de qualidade superior e com maior frequência, vê na rolha de cortiça não só um sinal de qualidade mas também de charme.  

A sustentabilidade é outro fator valorizado por 50% dos inquiridos, conscientes de que a cortiça é um recurso natural, não poluente e renovável, proveniente da casca de sobreiro, árvore abundante em Portugal e no sul da Europa, que não precisa ser cortada.



Redação | WINE - A Essência do Vinho