Sucessor será Jorge Rosas

João Nicolau de Almeida, enólogo e administrador da Ramos Pinto, anunciou esta sexta-feira que vai retirar-se da empresa em março de 2016. A partir desse momento passará a dedicar-se ao projeto que entretanto lançou com os filhos, os vinhos Monte Xisto, também no Douro.

Há 40 anos, João Nicolau de Almeida iniciava a aventura na Ramos Pinto ao lado de José Rosas. A dupla viria a encetar uma das mais inacreditáveis aventuras modernas no Douro, a Quinta de Ervamoira, que ajudou a alterar significativamente o paradigma dos vinhos da região. Entre os múltiplos e reconhecidos trabalhos realizados no Douro, João Nicolau de Almeida, formado em Bordéus, é aclamado entre pares pelo autêntico desafio que constituiu o processo de seleção de castas. A seleção clonal de variedades para operar no Douro vitícola das últimas décadas é, ainda hoje, um autêntico património imaterial. Aliás, Nicolau de Almeida assume um papel decisivo no Douro, a vários níveis, incluindo o da aposta decisiva nos vinhos DOC. Os Duas Quintas (elaborados a partir de matéria-prima das emblemáticas propriedades de Ervamoira e Bons Ares, no Douro Superior) foram dos primeiros vinhos tranquilos, com verdadeira expressão, elaborados na região.

Os Duas Quintas iniciaram-se em 1990 e para assinalar 25 anos de produção, estão este fim de semana a ser alvo de provas verticais, em Vila Nova e Gaia e no Douro. Foi na sede da empresa, em Gaia, que João Nicolau de Almeida recordou os factos mais significativos dos 40 anos de ligação à Ramos Pinto. Na abertura da prova vertical do Duas Quintas branco anunciou ainda o sucessor: Jorge Rosas, filho de José Rosas, que está na empresa há já 26 anos, sendo igualmente conhecido pelo projeto pessoal na Quinta da Touriga Chã.

JJS | WINE – A Essência do Vinho