O anúncio oficial deve surgir nos próximos dias mas, de acordo com notícia avançada pelo jornal Valor Económico, a medida de salvaguarda que o Brasil equaciona sobre o vinho importado será rejeitada.

"Os técnicos do Ministério do Desenvolvimento recomendarão a rejeição dos produtores nacionais de vinho para adoção de medidas de salvaguarda contra o vinho importado de países de fora do Mercosul", refere o jornal, que acrescenta que "após analisar mais de 300 manifestações de interessados, desde maio, quando foi aberto o processo de análise das salvaguardas, os técnicos do ministério não consideraram os argumentos dos produtores brasileiros consistentes com as normas da Organização Mundial do Comércio, que só permitem esse tipo de barreira quando comprovado um surto imprevisto de importações que ameace a produção nacional".

Se avançasse, a medida iria representar, muito provavelmente, o agravamento da carga fiscal e a imposição de quotas de entrada a vinhos oriundos do Chile, Itália, Portugal, Espanha e França, por exemplo, países que têm o mercado brasileiro como um destino muito importante de exportação.

Nuno Guedes Vaz Pires | WINE-A Essência do Vinho