Resultam de vinhas do Douro com uma média de 30 anos, são engarrafados em quantidades limitadas e apenas em anos tidos como excecionais. A Quinta do Crasto acaba de lançar no mercado os monovarietais de Touriga Nacional e de Tinta Roriz, ambos da colheita 2010.

O Touriga Nacional “apresenta uma elevada intensidade aromática de frutos vermelhos e notas de violeta, sentindo-se no paladar grande frescura, envolvência e profundidade”. Já o Tinta Roriz “revela elegantes notas florais, bem integradas com especiarias e bagas silvestres, apresentando-se muito elegante na boca, envolvente e com sensação de mineralidade e persistência”. O processo de vinificação de ambos teve pisa a pé em lagares tradicionais e estágio de 16 meses em barricas de carvalho francês.

O Quinta do Crasto Touriga Nacional 2010 e o Quinta do Crasto Tinta Roriz 2010 não se ficam por aqui nos pontos em comum. Também partilham o mesmíssimo PVP, de 50€.

Redação | WINE - A Essência do Vinho