A rolha de cortiça é o vedante mais reconhecido e apreciado pelos consumidores de vinho norte-americanos e chineses. A conclusão é retirada dos mais recentes estudos realizados sobres os mercados dos Estados Unidos da América (EUA) e da China e é, de acordo com Carlos de Jesus, diretor de comunicação e marketing da Corticeira Amorim, "uma boa notícia para Portugal" já que se tratam de países determinantes para o futuro das exportações tanto da cortiça como do setor do vinho.

No estudo realizado sobre o mercado chinês pelo CTR Market Research, 84% dos consumidores de vinho chineses preferem a rolha de cortiça como vedante, enquanto apenas 36% opta pela cápsula de alumínio, 11% escolhe o plástico e 8% seleciona o vidro. Destaque ainda para o facto de 85% dos chineses associarem a cortiça a vinho de qualidade.

Já no estudo realizado pela “Wine & Spirits” sobre o mercado norte-americano, cujos resultados foram também reforçados pela Nielsen Tracking Surveys, regista-se que, em 2013, as marcas de vinho com rolha de cortiça foram responsáveis por 90% das vendas do "Top 50 Restaurants Brands". Na distribuição, o preço médio das marcas de vinho premium top 100 com rolha de cortiça é superior.

Também Nuno Guedes Vaz Pires, diretor da EV-Essência do Vinho, considera estes resultados muito positivos: "EUA e China são, sem dúvida, dois gigantes mercados de consumo de vinho, com a incomparável vantagem de possuírem uma assombrosa margem de progressão. O mercado norte-americano está a beneficiar de uma nova faixa de consumidores e wine lovers que estão a despertar para o vinho, possuem capacidade aquisitiva e começam a encarar o vinho como parte integrante do seu lifestyle. A China é já o quinto maior consumidor mundial, representando um consumo de 1,4 mil milhões de garrafas. Ambos os casos devem ser encarados pelos produtores portugueses como oportunidades. Não podemos pensar em volume, mas na conquista de nichos de mercado". 



Redação | WINE-A Essência do Vinho