Por Nuno Guedes Vaz Pires, diretor executivo da revista WINE

Como português não escondo um particular orgulho pelo Vinho do Porto, unanimemente considerado um dos grandes embaixadores de Portugal no exterior. Atento ao setor, percebo-lhe o que comprovadamente funciona mais e menos bem, tendo aqui mesmo já tido oportunidade de sublinhar aspetos positivos e menos bons e até sugerido algumas ideias e estratégias que me parecem que não só poderiam vingar como, sobretudo, poderiam elevar ainda mais o posicionamento do Vinho do Porto ao estatuto que intrinsecamente lhe está subjacente, o de um dos melhores vinhos do mundo.

É pois com enorme satisfação que verifiquei a forma simplesmente exemplar com que a família Symington lançou o Ne Oublie, um Porto Colheita de 1882! À grandeza do vinho correspondeu toda uma estratégia de comunicação e marketing que procurou fazer jus ao produto, isto é, algo de único. Nos últimos meses, o setor recebera alguns “links” para vídeos que procuravam despertar a curiosidade sobre o vinho em questão, dando a entender que aquilo que dali por uns tempos seria apresentado era realmente único. “Este é o nosso tesouro, que merece ser desvendado”, avançava a família, remetendo-nos para uma esfera de grande expetativa, identificando o produto com o legado de cinco gerações de Symington ligados ao vinho.

Além do vinho propriamente dito – um encanto de 132 anos que tive a felicidade de provar –, todos os detalhes que envolvem as 656 garrafas lançadas merecem aplauso. Prata da Escócia por Scottish Silversmiths Hayward & Stott, couro inglês com Smythson of Bond Street e cristal português da Atlantis tornam o “packaging” do Ne Oublie um produto ímpar e exemplar, ao nível do que de melhor e mais exclusivo as grandes casas de Champagne ou Bordéus fazem perante edições limitadas de vinhos fora de série. E para conferir o toque final de raridade, o lançamento aconteceu na leiloeira Christie’s, em Londres, perante uma audiência de conceituados líderes de opinião e imprensa. Sim, tudo tem um preço (neste caso, 5.500€ cada garrafa), mas todos sabemos que a aquisição de obras de arte nunca foi particularmente acessível.

O Vinho do Porto é um setor muito particular entre o vinho português, que possui um historial incomparável, que se rege por legislação própria, que detém um universo de categorias e até de linguagens específicas, que suscita as mais acesas discussões sobre viticultura, produção e comercialização. Mas sempre que surge um Ne Oublie, pensado e lançado ao detalhe, tudo isso se esquece, ficando gravada na nossa mente uma magia muito especial. A magia do Vinho do Porto.


WINE-A Essência do Vinho